Destaques Mighty Morphin Power Rangers

Edição zero de Mighty Morphin Power Rangers marca o retorno dos heróis

quarta-feira, março 09, 2016Redação


Power Rangers sempre abriu possibilidades para novas histórias, principalmente as primeiras temporadas. Mesmo com muitos episódios, Mighty Morphin Power Rangers sempre teve espaço para ser explorada e revisitada diversas vezes. Pensando nisso, a série Mighty Morphin Powers Rangers, da BOOM! Studios, se propõe a um audacioso projeto que é contar novas histórias para os clássicos personagens da franquia.

Voltando aos poucos para a grande mídia, depois de passar longos anos focado em um nicho especifico de público, os Rangers tem pela frente o longa metragem programado para 2017, o que pode ser o elemento que falta para que a “Rangermania” volte a conquistar espaços. E além deles, temos os novos quadrinhos com a primeira edição de “Mighty Morphin Power Rangers” lançada em Março desse ano com 28 capas variantes, um número muito grande até para os padrões da Marvel e DC Comics e que apresentou bons números de venda. Mas antes dessa primeira edição, a empresa lançou um número zero e é dela que iremos falar hoje.

Tommy, Rita Repulsa e Jason nos novos quadrinhos - Foto: BOOM! Studios

O número #0 traz três histórias distintas: a principal que recebe o título “Mighty Morphin Power Rangers”, uma segunda estrelando Bulk e Skull (The Ongoing adventures of Bulk & Skull) e uma terceira intitulada “What time is it?!”. Cada história tem uma abordagem diferente e iremos falar de cada uma delas nesse review.

A trama principal é escrita por Kyle Higgins (Batman Annual) e ilustrada por Hendry Prasetya (Power Girl, Star Trek: New Adventures) e segue os eventos após o arco “Verde de Raiva” apresentado na série de TV. Só para refrescar a memória, “Verde de Raiva” são os episódios onde Tommy , o Ranger maligno de Rita Repulsa surge na série para destruir os Rangers mas no final acaba virando um membro da equipe. A edição zero dita exatamente o ritmo que irá seguir os quadrinhos e pela abordagem teremos uma relação mais profunda entre Tommy Oliver e a vilã Rita Repulsa.

Somos logo transportados para o colégio da Alameda dos Anjos, mas não aquele dos anos noventa. Tudo está moderno e temos várias menções sobre redes sociais e smartphones, elementos que foram colocados propositalmente para deixar a história mais contemporânea e de fácil assimilação para a nova geração de leitores. Não demora muito para Finster criar um monstro e envia-lo para Alameda dos Anjos e é nessa hora que os Zords entram em ação.

A narrativa é interessante e os traços são bastante competentes, limpos e com efeitos de sombra muito bem desenhados. O ritmo é gostoso de ler e de fácil compreensão, nada muito denso ou sombrio demais. O “relacionamento” entre Rita e Tommy é um elemento que se for explorado de forma coesa, pode ser um plot interessante para as futuras edições. Na edição zero também temos os clichês de Power Rangers, mas o que seria da série sem eles não é mesmo? Resumindo, a primeira história é bem chamativa e abre as portas para o que vem a seguir.

A primeira luta do Megazord no quadrinho - Foto: BOOM! Studios

A história solo de Bulk e Skull é escrita por Steve Orlando (Liga da Justiça) e desenhada por Corin Howell (Transformers). Apesar de ser bem curtinha (duas páginas apenas), o enredo lembra bastante as situações onde os dois personagens se metiam no auge da franquia. Na trama, Bulk e Skull estão tentando escapar de mais uma detenção na sala do diretor Caplan e decidem se tornar os novos Power Rangers depois de ouvir que as garotas são fãs deles. O traço condiz com a história, bem caricato e bonitinho, e assim como a primeira trama da revista, termina em aberto.

Bulk e Skull estão de volta em uma história voltada para eles - Foto: BOOM! Studios

A última história é a única que traz o maior capanga de Rita, Goldar. Apesar de ser bem curta, “What time is it?!”, escrita por Mairghread Scott (Transformers) e ilustrada por Daniel Bayliss (Translucid), é divertida e a execução é bastante parecida com a série de TV. A história, bem fundamentada, demonstra que a “união faz a força” e que um Ranger sozinho não é tão eficiente, sendo que somente juntos podem se tornar uma força inimaginável.

O visual de Goldar continua assustador na curta história "What time is it?!" - Foto: BOOM! Studios

A edição zero com certeza cumpriu o seu papel de trazer os Rangers a uma nova geração. Ela cativa os mais velhos com elementos nostálgicos, parece um episódio da série, só que mais moderno e com um enredo um pouco sombrio (não tanto quanto Batman por exemplo). Algo que não era tão comum na série de TV e ao mesmo tempo convida aquela pessoa que nunca teve contato com a franquia. Os Power Rangers estão de volta e estou ansioso para ler a próxima edição.

Você também pode gostar

2 comentários

  1. Boa noite, já esta vendendo os comics do Power Rangers Mighty Morphin no Brasil?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Mauricio, boa noite.

      Os quadrinhos estão sendo vendidos apenas na América do Norte.

      Excluir

Parceiros

Apoio Apoio
Apoio