20 Anos Power Rangers Especial 20 anos

Power Rangers Hexagon - A temporada perdida de Power Rangers

quarta-feira, dezembro 04, 2013Redação


(Tesouros Ancestrais) Com o aniversário de 01 ano do Mega Power Brasil se aproximando, decidimos repostar uma das nossas primeiras matérias (que é um das favoritas do site). Para quem não sabe, "Power Rangers" teve uma temporada perdida e é dela que iremos falar hoje...

Bem pessoal, hoje trago uma curiosidade fantástica sobre Power Rangers. Conheçam um pouco sobre a temporada "perdida" de Power Rangers. O blogueiro "Twannecomics" perguntou ao produtor Bhaumik sobre o que é a temporada "Hexagon", que a há muito tempo tem intrigado os fãs da saga. Confiram abaixo.

Para ler esse artigo completo, conheça o significado das siglas de Power Rangers. Esse artigo original foi postado na página pessoal do produtor "Bhaumik", clique aqui para ver.

MMPR (Mighty Morphin Power Rangers)
ZEO (Power Rangers Zeo)
PRT (Power Rangers Turbo)
PRIS (Power Rangers no Espaço)
PRLG (Power Rangers na Galáxia Perdida)
PRLR (Power Rangers Lightspeed Resgate)
PRTF (Power Rangers Força do Tempo)
PRWF (Power Rangers Força Animal)

O “Hexagon” foi o plano original para a 11ª temporada de Power Rangers que iria adaptar "Ninpuu Sentai Hurricanger", depois de Power Rangers Wild Force. O plano era continuar com algumas das idéias e enredos do episódio Forever Red de Power Rangers Wild Force assim como emendar os finais de MMPR (Mighty Morphin Power Rangers) - PRWF (Power Rangers Wild Force). Assim como PRIS (Power Rangers In Space) essencialmente juntou as cinco temporadas antecessoras de Power Rangers (MMPR-PRT), a intenção era que a 11ª temporada fizesse uma conexão entre as séries predecessoras.

Assim que as roteiros de PRWF terminaram de ser escritos e a produção estava se organizando, eu comecei as pesquisas e o planejamento para adaptar "Hurricanger" para a 11ª temporada que seria provavelmente filmada em Los Angeles. Entenda que esse era o plano nos estágios iniciais e não deve ser tratado com muita importância. Ele nasceu em um tempo de transição onde a direção e a continuação do show eram incertas. Essa foi apenas uma das muitas visões potenciais para o show, uma que não foi usada.

"Forever Red" seria o marco de uma nova era!
No final de 2002, o proprietário da franquia Power Rangers, Disney, decidiu substituir (quase) toda a equipe e mover a produção do show para a Nova Zelândia, acabando com a ideia do "Hexagon". Ao invés disso, "Hurricanger" seria adaptado como Power Ranger Ninja Storm.

O plano do "Hexagon", como é chamado, revolvia na ideia de uma organização universal que uniria a maioria dos vários times de Power Rangers que tínhamos visto através dos anos. O nome "Hexagon" veio da ideia de que a base de operações dos Power Rangers dessa temporada seria uma construção gigante como o Pentágono, com seis lados, simbolizando o número de membros na maioria das equipes. Imagine uma versão muito maior do Centro de Comando de Zordon em uma localização conhecida. Uma fortaleza impregnável habitada por centenas, se não milhares, e muito bem defendida para qualquer vilão do universo de Power Rangers tentar um ataque.

A dinâmica de poder entre os heróis e vilões no show seria invertida nessa temporada. Ao invés de uma invasão de um vasto exército do mau contra alguns heróis operando em segredo, dessa vez, os bonzinhos estariam em uma aparente vantagem em termos de números e infra-estrutura.

"Hexagon" teria duas "facções de Power Rangers"
O "Hexagon" seria liderado por Tommy Oliver, que iria agir como um mentor para os Rangers da temporada, assim como Zordon ou Capitão Mitchell. Como "Forever Red" ilustrou, Tommy manteve contato com vários Rangers através dos anos desde o episódio "Passando a torcha, Parte 2". Não mais o adolescente com rabo de cavalo de MMPR, Tommy se parece mais com um agente federal em um terno. Algo similar a Nick Fury, da Marvel. Em "Forever Red", Tommy deliberadamente usou vários clichês de Zordon desde “Eu temia que esse dia chegaria” até “Que o poder os proteja”. Tudo indicado que ele estava a caminho de herdar a posição de Zordon no Universo.

No roteiro original de "Forever Red" a ideia era de que Tommy estava se aposentando como Ranger e que Andros o trouxe para mais uma batalha. Mas, com o desenvolvimento do episódio, nós vimos que Jason David Frank trazia sua característica vitalidade ao papel assim como uma inesperada aura de seriedade. A linha sobre Tommy estar se aposentando, quando filmada, foi sumariamente cortada do episódio, deixando o status de Tommy em "Forever Red" mais misteriosa e ambígua para os telespectadores. Central ao plano do Hexagon estava a ideia de que o herói veterano se tornado o comandante de uma super união de heróis. A ideia da temporada teve sua gênese no episódio "Reforços do Futuro, Parte 1" onde Wes fala a Cole “Há outros Rangers pelo mundo, todos lutando por um objetivo comum” e foi amadurecida em Forever Red, onde conexões nunca antes vistas no show foram indicadas (Carter conhecendo TJ, Andros sabendo sobre Jason, etc) e começaram a se tornar mais claras com a chegada de Tommy.

A equipe da temporada consistiria dos três "Hurricangers" básicos (Vermelho, Azul e Amarelo), novos recrutas da "Hexagon" e dos heróis em serviço da organização. Esse poderes, obviamente baseados em ninjas, serão provavelmente derivados do Ninjor da terceira temporada de MMPR – uma dos muitos personagens a retornar para contribuir para a história. Tommy iria enviar esses três Rangers em uma missão em resposta a ataques de vilões. Em vez de apenas uma cidade central onde todas as lutas ocorrem, cada batalha teria lugar em vários locais no universo Power Rangers. Os três Rangers iriam viajar através do veículo camuflado, pilotado por Joel de "Lightspeed Resgate" – uma reaparição planejada.

Seriam mostradas outras equipes de Rangers trabalhando sob o comando do "Hexagon" e ocasionais aparições de outros Rangers enquanto nossos heróis enfrentam ameaças pelo universo de Power Rangers. Silver Hills, Angel Grove (Alameda dos Anjos), Mariner Bay, Turtle Cove e possivelmente Aquitar Mirinoi e KO-35 seriam vistas em bases regulares (o fato de que todos os locais se parecem com Los Angeles ajudaria muito nas filmagens). Tommy com sua rede de conexões com Rangers fez dele praticamente o novo Zordon ao qual todos os times responderiam.

Tommy voltaria mais uma vez em "Hexagon" e seria o novo "Zordon"
Os vilões da temporada seriam vários, espalhados, incluindo o retorno de alguns. Prince Gasket, Archerina, Scorpina e Lokar estavam entre os vilões mal-resolvidos das séries passadas aos quais eu esperava providenciar alguma resolução nessa temporada. Os vilões de "Hurricanger" seriam, usados no show para representar diferentes facções de vilões e o monstro-do-dia que os Power Rangers iriam enfrentar não seriam sempre do mesmo grupo. Por exemplo, o monstro robótico do dia poderia ser no Império das Máquinas, subordinados de Prince Gasket enquanto os vilões mais orgânicos poderiam ser controlados por Scorpina ou uma das facções dos vilões de "Hurricanger".

Os dois Hurricangers besouros (Dark Red e Dark Blue) seriam usados como um grupo furtivo de Power Rangers que operariam fora da rede de super heróis do "Hexagon". Como todas as temporadas tentaram ter pelos menos duas Rangers femininas, eu certamente não queria quebrar a tradição e indiquei a criação da terceira Ranger Besouro, feminina, exclusiva – provavelmente Dark Yellow. Esses Rangers teriam menos a ver com o comportamento tradicional da série e seriam mais rebelados e antiautoritários. Eles iriam rejeitar a mentalidade do "Hexagon" e agiriam de forma independente.

O conflito central da temporada seria a rivalidade entre os "Beetle Power Rangers" e os três Rangers da "Hexagon". Uma imagem mental dos seis Rangers divididos, com um explicito “De que lado você está?” direcionou bastante as idéias para a temporada – anos antes do que a Marvel fez com Civil War, imagine. Os dois times de Rangers iriam ocasionalmente lutar um com o outro, sem qualquer controle mental ou lavagem cerebral. Eles iriam também ocasionalmente juntar suas forças para enfrentar monstros, como em "Hurricanger", mas certamente não era uma temporada projetada para ter apenas um time de Rangers.

Rangers de temporadas passadas iriam eventualmente ter de escolher entre um dos lados do conflito, estando disponíveis para ajudar um grupo, mas não o outro. Por exemplo, talvez Delphine e o Auitian Rangers rejeitem o "Hexagon" e se neguem a cooperar com os Rangers da organização ou aparecerem para ajudar os Rangers anti-Hexagon. O foco principal do show seriam os novos personagens da temporada, mas com vários atores convidados de Power Rangers anteriores. Um dos papeis mais recorrentes foi o de Jason, o Mighty Morphin Power Ranger Vermelho, que definitivamente estaria ao lado dos anti-Hexagon "Beetle Rangers" e uma versão oposta, estilo Tommy, para ser seu mentor.

Foi indicado em "Forever Red" que Jason passou anos, desde a última vez que o vimos, nos limites da sociedade. Dirigindo sua Harley, sozinho, e buscando suas próprias aventuras. Quando ele se tornou "Zeo", ele estava andando pelo deserto, de óculos e com uma bandana, se parecendo com algum fugitivo do que um embaçador retornando de uma conferencia juvenil sobre a paz! Em PRWF, ele relembrou Wes e Eric que ele era mais familiar com eles do que com outros Rangers. Ele vinha fazendo suas próprias amizades e alianças que poderiam ajudar ele na temporada do Hexagon, ou estava falando isso para fazer pouco dos escritórios de aplicação da lei dos Silver Guardians em referencia a um de seus muitos conflitos com a lei? Jason sempre foi mais casual, próximo, irmãozão para os "Beetle Rangers" do que o comandante que os Rangers do "Hexagon" tinham.

O "Hexagon" teria uma base semelhante ao "Pentágono"
O "Shurikenger Verde" seria adicionado mais tarde na série e, por causa do enredo, seria considerado o Ranger mais poderoso já criado já que ele seria o desafio final para o qual os Rangers teriam se unido para enfrentar.

A fantasia com um peitoral dourada era muito reminiscente do "Mighty Morphin Power Ranger Verde" para não deixar Tommy ser esse Ranger. Tommy incorporou o Ranger Verde em MMPR e até hoje, a mini-série do Ranger Verde esta possivelmente presente entre os melhores cinco episódios de Power Rangers. Como o Ranger Verde dessa temporada, Tommy ocasionalmente ajuda os Rangers em suas batalhas. Como um tributo a mini-série do Ranger Verde, Tommy e Jason até lutam lado a lado mais uma vez. A rivalidade entre esses dois personagens foi uma das relações mais icônicas que o show teve e explorá-la mais profundamente se encaixaria perfeitamente no tema de heróis divididos.

Tommy até se tornaria o principal antagonista no final da série quando os Rangers eventualmente se rebelam contra o "Hexagon" depois de perceber que tudo fugiu ao controle. No final, os heróis iriam enfrentar e eventualmente forçar Tommy a reconhecer seus erros na concentração de poder no "Hexagon" que podia ser abusado por pessoas, levando-o a dissolver o "Hexagon", espalhando os heróis mais uma vez pelo universo de Power Rangers. Essa seria, de certa forma, o fim de uma era de Power Rangers, desde da primeira temporada até a décima primeira, eliminado qualquer problema mal-resolvido e excesso de bagagem para pavimentar o caminho para um novo começo para que o show pudesse tomar qualquer caminho a partir da décima segunda temporada.

Jason, o ranger vermelho original iria retornar também em "Hexagon"
Existia um plano para explicar como certos Rangers em "Forever Red" recuperaram seus poderes. Existia um plano para revelar a identidade dos "Phantom Rangers". Existia um plano para explicar a tecnologia interestelar da Terra Venture de PRLG (Galáxia Perdida) que contradizia a civilização moderna onde todas as outras temporadas aconteceram (era uma Fortaleza Negra remodelada e parte de uma grande conspiração). Existia um plano para os "Silver Guardians". Existia um plano para a equipe de Power Rangers Wild Force que iriam se juntar com Merrick, Zen-Aku, Jindrax e Tóxica (os dois últimos liderando a alegoria) se alinhando com os Ranger anti-Hexagon, e Cole, Taylor, Alyssa, Max e Danny dando suporte aos Rangers do "Hexagon", com todos se reunidos depois para lutarem a luta do bem (é claro).

De muitas forças, tudo foi projetado para limpar o universo Power Rangers e sua vasta mitologia. A ideia não era reduzir o potencial de possibilidades do show, mas clarificar os elementos intrínsecos de cada encarnação do conceito de Power Rangers desde Zeo até Lost Galaxy até Wild Force e adiante. Esperançosamente providenciando resoluções aos fãs antigos, estabelecendo um legado importante para os fãs mais novos, e refinar a planta básica do que faz uma temporada de Power Rangers e expandir em futuras temporadas.

É claro que, houve tentativas para a temporada que foram contingenciadas por muitos fatores, como disponibilidade dos atores, finalização da história entre eu e a produção, cooperação entre a rede e a companhia de brinquedos, e mais importante as variáveis imprevisíveis que inevitavelmente surgiram durante o processo de escritura, filmagem e edição e um temporada de 40 episódios. Não adianta lamentar muitos sobre o que isso poderia ser. O que está feito, está feito e esses debates devem ser considerados histórias passadas.

Pessoas perguntam se o "Hexagon" irá aparecer no futuro, aos quais eu respondo definitivamente que não. A ideia requeria duas equipes de Power Rangers em uma única temporada de "Hurricanger", um momento atemporal de 2003 que seria não mais que uma década removida de qualquer outros Rangers. Muito tempo se passou para podermos revisitar personagens antigos para justificar uma temporada como essa. Eu não estou afirmando que personagens antigos nunca mais irão aparecer no show, só não será com a freqüência e profundidade que a temporada de "Hexagon" pretendia fazer. Em 2003, talvez houvesse audiência suficiente que teria crescido com o show ou se prestaria a revisitá-lo para estabelecer uma continuação entre as histórias, mas agora a maioria da audiência do show (mas não todos) é representada por novas gerações que não estão tão investidas nas histórias que foram ao ar na primeira administração de Clinton.

Uma temporada semelhante a "Gokaiger" só que com mais conteúdo
A onda daquele momento era para que um show para crianças trouxesse temas relacionais a liberdade versus segurança, agentes federais e questões sobre a aplicação de força e justiça. Essa ideia surgiu entre 2001 e 2003, aludir ao Pentágono em um show para crianças parecia ter uma conotação menos controversa do que têm hoje depois de uma guerra onerosa de uma década no Iraque e no Afeganistão. Comparar a base dos Power Rangers com o quartel do Departamento de defesa hoje em dia pode trazer um tom muito pesado com a bagagem que os problemas do mundo real para os escapistas, fãs de ficção científica, fantasia, ação e artes marciais de todas as idades que são fãs de Power Rangers.

O "Hexagon" era uma ideia para seu tempo.

Não estou dizendo que não houveram outras ideias ou abordagens para uma futura temporada baseada na mitologia de temporadas anteriores. Sentai tentou fazer isso com sua 35ª edição de aniversário, "Kaizoku Sentai Gokaiger", com aparições de outros Sentais e a aparição de velhas fantasias e armas. Mas "Gokaiger" se limitou a usar essas aparições como fan service ao invés de apresentar histórias de múltiplas temporadas como parte de um universo consistente.

Tempos mudam, a audiência muda, e até um show sortudo o suficiente para permanecer por duas décadas deve mudar. Mas qual é o problema se show mudar muito?

A ideia de uma história contínua construindo a si mesmo essencialmente terminou com Power Ranger no Espaço com cada temporada subseqüente sendo totalmente independente da temporada anterior. PRLG, PRLR e PRTF (Força do Tempo) tentaram estabelecer uma fraca continuação com o passado com alguns episódios de união, mas não foi até PRWF que a série começou a tentar recriar a sensação das primeiras temporadas de um universo definitivo de Power Rangers no qual tudo que aconteceu no show, aconteceu no mesmo universo. A temporada após PRWF iria plantar a ideia de que as várias equipes de Power Rangers através dos anos eram todas partes do mesmo universo.

Mas, ao invés disso, os anos que seguiram "PRWF" viram várias recriações do universo Power Ranges no estilo das séries Sentais e mais drasticamente ainda em PRLG-PRWF. “Recriações” aqui é usado como um moderno senso de entretenimento de reimaginação da franquia sem um compromisso com uma continuidade estabelecida. Algumas dessas temporadas tentariam criar uma aparência de continuidade ao trazer atores antigos para aparições, algumas vezes inconsistentes com seus personagens estabelecidos, enquanto algumas temporadas seriam completamente divorciadas dos precedentes do passado.

Centenas de episódios criados por diferentes equipes de criação com diferentes versões do show estabeleceram um universo contraditório que talvez seja muito bagunçado para se estabelecer relações a esse ponto. É questão de gosto se isso é uma coisa boa ou ruim. Apesar de tudo, RPM mostrou uma temporada independente que não teve personagens e enredo superficiais, certo? Alguns podem lamentar o gradual afastamento do show de uma história duradoura enquanto outros podem dar boas vindas a renovação anual do elenco e da história.

São méritos para ambos os argumentos e eu não estou favorecendo nenhuma das perspectivas. A questão real, em minha opinião, é achar o equilíbrio entre considerações de curto e longo prazo e adaptando ao tempo em que nos encontramos. Eu tenho minha opinião de como o show deve evoluir e mudar com o tempo. Como disse Muhammad Ali, “Um homem que vê o mundo aos 50 da mesma forma que via aos 20, perdeu 30 anos de sua vida”.

Ideias mudam.

E assim como uma história contínua com várias temporadas eventualmente se transformou em uma renovação anual. Talvez algum dia a ideia atual requira uma nova mudança, de volta a história contínua para evitar estagnação?

Coisas para se pensar.

Você também pode gostar

0 comentários

Parceiros

Apoio Apoio
Apoio